Literatura e História

Andes: se as montanhas pudessem falar…

“Se as montanhas pudessem falar, elas nos contariam uma história…” a frase anterior, adaptada, pertence à letra de If a mountain could talk da banda alemã Helloween. Ao longo da composição, escrita por Markus Grosskopf, é possível depreender a relação entre os seres humanos e a natureza, o quão irresponsável tratamos a terra e como reagiriam as montanhas e os oceanos ao nosso comportamento, em inúmeras vezes, irracional.

A canção ainda traz sentenças como “por lucro vendemos nossas almas”, “nós semeamos desastre, a confusão está completa” e “os recursos logo serão consumidos”. E foram justamente essas fortes palavras que levaram a um pensamento: E se os Andes pudessem falar? Que histórias contariam?

Obviamente, em uma pequena reflexão como esta, a ideia não é propor o que Fernand Braudel fez de forma virtuosa com o mar Mediterrâneo, ao abordar um conjunto de narrativas da história espanhola do século XVI, estabelecendo um novo paradigma à ciência histórica, mas sondar de forma despretensiosa alguns elementos que compõem o enredo das ações dos homens ao longo do tempo na região sul-americana.

Maior cordilheira do mundo em comprimento, a denominação “Andes” contém diversos significados. Entre eles, uma origem aymara espanholizada referindo-se a “montanha que se ilumina”. Há também uma relação com a palavra quíchua Anti, significando “crista elevada”. Por fim, uma acepção derivada também da etimologia quíchua, Antisuyu, uma das quatro partes do império dos incas, com o vocábulo Suyu sendo uma referência à cadeia montanhosa em questão.

A própria origem do nome ajuda a entender um pouco das histórias que, muito provavelmente, os Andes contariam. Sem uma exatidão, a chegada dos primeiros homens vindos de terras distantes, quem sabe há 50 mil anos, vagarosamente, seria o ponto de partida. Navegando em canoas primitivas ou andando desde Behring, foram chegando em face a dimensão colossal daquela barreira natural.

Aos poucos foram se organizando. E o que não era nomeado, passou a ser. Carao, Chavín, Valdívia, Moche, Tiwanaku, Nazca, Chachapoyas, Wari, culturas arqueológicas floresceram, próximas ou distantes, mas sempre visíveis aos olhos das montanhas. Produzindo cerâmicas, aquedutos, têxteis e geoglifos, relacionando-se com suas divindades, guerreando e dominando, nada escapou às cordilheiras.

Garantiam a agricultura nas menores altitudes, forneciam água do degelo de suas geleiras e o tempo – senhor de tudo – foi passando. As riquezas da serrania eram eduzidas aos montes. Brilhando ou não, aguçavam os sentimentos mais vis nas populações ao redor.

Chimús, Muíscas e Incas, do extremo norte ao sul, frutificaram, evoluíram. Resultado de uma miríade de civilizações andinas, o povo Tawantinsuyu tornou-se o maior e mais desenvolvido império já visto por aquelas bandas. Porém, à procura da região da cadeia irmã, novos habitantes surgiram. Toparam com os titãs da parte sul que viriam a chamar de América. E o que era mito e antes homem – Manoa del Dorado – passou a ser fantasiado como localidade e transfigurou-se em El Dorado.

A partir daí, a exploração que já existia, radicalizou-se. Porém, enquanto interlocutor, essa é uma história a ser contada em uma outra ocasião

28 anos, professor universitário e historiador. Apaixonado por futebol, comida, viajar e rock 'and' roll.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.