Literatura e História

O Brasil precisa de livros

O atual momento político brasileiro, manchado pela corrupção, está longe de ser um filho do século XXI. Grandes estudiosos como Sérgio Buarque de Holanda, Maria Sylvia de Carvalho Franco, Raymundo Faoro, Kimberly Ann Elliott, Matthew Taylor e Timothy Power, já nos ofereceram subsídios suficientes para compreender que os atos corruptivos nos circundam desde os tempos coloniais. Aliás, corromper é uma lástima que acompanha os seres humanos muito antes dos portugueses desembarcarem em terras tupiniquins.

Diversos intelectuais constantemente apresentam propostas para combater esse mal que inunda boa parte do planeta. Contudo, não são muitos os que afirmam enxergar na literatura a possibilidade de modificar esse quadro político lastimável de forma mais efetiva, principalmente porque age mais no aspecto individual e isso poder variar de pessoa para pessoa.

A mais recente pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, divulgada no primeiro trimestre deste ano, revela que o público leitor brasileiro aumentou em relação ao último estudo realizado em 2011.

Segundo os dados de 2015, 56% dos brasileiros, ou seja, 104,7 milhões são considerados leitores (neste caso, os habitantes que tenham lido ao menos um livro nos últimos três meses). Embora a bíblia e as obras religiosas sejam a preferência nacional, as escolhas posteriores é que chamam a atenção: contos e romances. E neles pode residir a chave para que a literatura venha a contribuir em direção a uma mudança.

Através também das ficções, alimentadas pela realidade que as envolve, é possível que o leitor seja levado a questionar o funcionamento da sua sociedade e as mazelas existentes, passando por uma reflexão aprofundada de sua comunidade e de seu próprio modo de vida.

Muitas vezes, é através das tramas e de suas quimeras que o indivíduo reconhece suas fragilidades e incorreções, conseguindo ponderar que atitudes como essas podem contribuir para a degradação de seu contexto, ainda que de uma forma mínima. Trocando em miúdos, não é possível reclamar da corrupção, se você sempre busca o famoso “jeitinho brasileiro” para escapar de uma repreensão aos olhos da lei.

De fato, o Brasil precisa de livros, literatura e, mais do que isso, precisa de leitores comprometidos em transformar a nossa realidade, tornando-se agentes de um processo de mudança que passa primeiro pelas ações cotidianas dos cidadãos, que, posteriormente, podem resultar em modificações mais agudas para os caminhos políticos de nosso país.

Obviamente, construir uma nação de leitores não levará por si só à diminuição da corrupção no Brasil ou resolver outros grandes problemas, mas uma sociedade leitora é mais questionadora, reflexiva e debatedora.

Na prática, isso pode resultar em uma mudança no perfil dos políticos que serão eleitos desde o âmbito municipal até o federal, inclusive uma transformação nos padrões das aclamadas promessas de campanha que nunca se concretizam, principalmente porque a imensa maioria dos eleitores ainda não cobra e rapidamente se esquece dos compromissos estabelecidos para a conquista de votos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!