Revista

O rock e a diversidade social

Há um tempo, ouvi um podcast sobre o existencialismo filosófico e uma das informações dadas foi uma frase dos Beatles que cabe muito bem à proposta do texto: “O futuro do rock será o que fizerem dele” (Podcast Filosofia Pop).

Não recordo se foram essas as mesmas palavras usadas, mas como se observamos, no decorrer das décadas, a transformação do gênero, adquirindo diversos “subgêneros” — caso seja um bom termo para adequar a quantidade de formas que o rock é explorado pelos músicos. É essa maleabilidade presente nas artes, aqui tendo o rock como destaque, que torna difícil aceitar categorias limitadoras de gênero musical.

Portanto, o que torna difícil escrever sobre o rock é a sua característica multifacetada. Assim como nós e a sociedade que compomos, o rock é composto por várias vertentes e definir é uma tarefa árdua. Por meio da música, das suas divisões, seus gêneros e padrões estilísticos, podemos notar a diversidade que toda sociedade tem.

Nenhuma é composta apenas por um padrão de corpo, de roupa, de pensamento, de religião etc. A música, e nesse caso o rock, é apenas um reflexo de como todas as sociedades são complexas e estão em constante discussão acerca dela mesma.

Além disso, devemos considerar também as transformações que acompanham a humanidade e nas coisas que ela produz, sobretudo nas artes, em que o mais íntimo, o pensamento, a filosofia, a história de um povo ou grupo social, ou até mesmo as transformações na linguagem verbal estão presentes.

Até mesmo a história do rock pode ser questionada, pois a história é uma seleção de fatos, em que outros são marginalizados ou esquecidos. Podemos acrescentar também que a história é escrita pelo olhar de uma pessoa ou um grupo, sendo extremamente vital se debruçar sobre o passado.

Vejamos, um dos maiores ídolos do gênero é Elvis Presley. Contudo, quem questiona esse símbolo, encontrará nomes de outros artistas que faziam parte desse novo cenário musical, mas que tinham uma característica que os colocavam à margem. Eram negros ou mulheres.

Desculpe, caro leitor, se acha minha visão maniqueísta. Mas pense, anos 1950 nos Estados Unidos, uma década antes do Movimento dos Direitos Civis. Elvis tinha talento e sua imagem era boa para impulsionar esse o rock. Mas não era um período em que todos os seres humanos eram priorizados pela sociedade — igualdade que até hoje não conseguimos, não é mesmo?

O rock não foi bem visto por muito tempo, assim como o samba já foi marginalizado e o funk é criticado hoje. Mesmo Elvis e sua dança, como em Jailhouse Rock de 1957, eram consideradas sensuais demais para aquela sociedade.

O rock era rebelde e transgressor. Décadas foram se passando, e o rock mudando. Beatles, The Doors, The Smiths, Joy Division, Nirvana, Hole, Arcade Fire e outras bandas eternizadas até hoje representam não apenas um gosto musical, mas uma forma de expressão de indivíduos e grupos.

Como dito, o rock é apenas um microcosmo da sociedade, composta por disputas e necessidades de formas de expressão. A sociedade que nos aprisiona em suas construções de gênero, do que é certo ou errado, do que vestir e não vestir, é também uma sociedade que muda constantemente.

E por que não perceber essa diversidade nos homens que buscam desconstruir barreiras sociais por meio da história do rock?

27 anos, filósofa, tatuadora, empresária apreciadora das artes, esportes, viagens, natureza.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.