Literatura

Resenha | Mutações, de Liv Ullmann

Liv Ullmann. Atriz norueguesa de 77 anos. Foi atriz predileta e ex-esposa do já falecido cineasta sueco Ingmar Bergman (1918–2007). Junto com Bibi Andersson (80 anos), Liv Ullmann estrelou, em 1966, Persona — Quando duas mulheres pecam (a tradução do título para o português é muito questionada), dirigido pelo Bergman.

Liv Ullmann passa o filme inteiro muda, seu papel foi de uma atriz de teatro que em uma determinada apresentação simplesmente fica muda e não fala com mais ninguém. Bibi Andersson fez o papel de enfermeira responsável pelos cuidados da atriz. Tornaram-se amigas muito próximas após Persona.

Estamos comumente vendo o ator apenas como ator ou celebridade. E Liv Ullmann, foi e é um exemplo disso. Entretanto, sua personalidade nos foi apresentada por ela própria, não só em entrevistas que já concedidas ao longo de sua carreira, mas também em sua autobiografia intitulada “Mutações”, publicada originalmente em 1976.

Ullmann tem algo extraordinário em sua descrição e reflexão sobre sua própria vida. Traz informações sobre o seu nascimento em Tóquio e a escolha pela nacionalização norueguesa. Os pontos que mais se destacam em toda a obra são as questões ligadas ao seu relacionamento com o teatro, o cinema, o sucesso, seus casamentos que não foram para frente (incluindo o com Bergman), sua relação com sua família e, sobretudo, com sua filha Linn (gerada durante o casamento com Bergman), além da vida que levou tanto na Noruega quanto nos Estados Unidos.

Pensar o uso da palavra mutações para dar título à autobiografia faz-nos crer que ela própria se considera um ser mutável, ou que possui uma vida repleta de grandes mudanças, como a saída de Noruega para ir viver na Inglaterra a fim de realizar seu sonho de ser atriz. Mutações aparentes e internas são inegáveis.

Contudo, Ullmann sempre voltou a sua terra natal. Lembrou-se de uma menina que foi e ainda é:

“Existe uma menina em mim que se recusa a morrer”, escreveu a autora dinamarquesa Tove Ditlevsen. Eu vivo, me alegro, sofro, e estou sempre lutando para me tornar adulta. Mas todo dia, porque alguma coisa que eu faço a afeta, eu ouço a voz da menina, lá dentro de mim. Ela, que há tantos anos era eu. Ou quem eu pensava que era (p.13).
Ela, assim como nós, muda e não muda. Mas, nossas escolhas mudam, junto com nossas mudanças e não mudanças.

“Mutações” perpassa por boa parte da vida dela. Muitas coisas aconteceram e mudaram. Seu íntimo, seu interior, seu medo, nos foram revelados. Ela se apresenta de forma delicada, mas forte. Faz-nos identificarmo-nos com ela. Conseguimos sentir o que ela sentiu.

Ela diz que sentiu a vontade de fantasiar em determinados momentos a fim de conquistar o leitor. Mas, não acredito que nenhuma biografia ou autobiografia não conte com esse artifício. Nossas lembranças e memórias tornam-se algo que nós criamos e projetamos como realidades passadas. Elas podem se misturar e sentimentos mudam. Acredito que se ela representou algo, foi a si próprio. Seu papel em “Mutações” era ser ela.

E nós que nos sentimos como ela. Se o papel do ator é viver e ser o personagem no momento da atuação, nós é que nos tornamos ela, ou parte do que nós somos se torna aparente.

Além disso, há de ressaltar questionamentos que a atriz faz para com a sociedade em que vive. Se formos pensarmos na nossa, ainda vivemos em uma sociedade parecida a da época em que ela descreve: mulheres recebendo salários abaixo do que os homens recebem e violência contra as mulheres são alguns pontos que a própria questiona.

Liv Ullmann é sem sombra de dúvida uma pessoa instigante com pensamentos profundos e inquietantes sobre a vida. Se alguém ficou um pouco curioso em saber mais sobre Ullmann, além da autobiografia (prometo que não se arrependerão) e do filme Persona, há essa entrevista, concedida ao Jornal O Globo em 2012, que vale a pena ser lida também.

Historiadora, feminista e dog lover que está aprendendo a se amar e aceitar quem é.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.