Filmes

Crítica | Viva, a vida é uma festa!

Gente, de verdade, da vontade de chorar só de lembrar. Mas chorar sorrindo, sabe?

Viva – A vida é uma festa (Coco em inglês) é o último filme da Pixar em parceria com a Disney, vencedor do Oscar nas categorias de Melhor Animação e Melhor Canção Original. E sinceramente? Muito mais que merecido.

Começamos pelo contexto atípico que o filme nos apresenta: dia dos mortos no México e seu tradicional ritual de celebração. Ao trazer a morte como tema central de uma animação infantil, os estúdios responsáveis pela obra foram capazes de inovar com maestria. Apesar do risco de a temática dar ao filme um ar sombrio e pesado, os estúdios se valeram da paixão de Miguel pela música, da arte, da poesia e do afeto presentes no filme para suavizar e dar à produção um toque profundo, principalmente para as crianças mais crescidinhas que inevitavelmente terminam o filme chorando e refletindo sobre a efemeridade da vida.

O esquecimento é outra temática forte do filme. Além da morte como fato físico e inevitável, o roteiro também nos presenteia com a magnífica analogia onde ser esquecido e perder o afeto familiar é similar a morrer. Afinal, se ninguém se lembra, como ter certeza de que algo existiu? É tocante a abordagem e o comparativo do filme entre a morte e o esquecimento – o que planta no telespectador a sementinha da importância da memória afetiva e de guardar os bons momentos com carinho.

É impossível não falar da técnica excepcional e impecável da produção que se faz visível nas rugas dos personagens mais velhos, na iluminação e decoração do mundo dos mortos, na maquiagem dos esqueletos, em tudo. O filme não peca em absolutamente nada no que tange à beleza estética. Ponto pra Pixar.

Viva - a vida é uma festa

O roteiro, apesar de possuir suas particularidades e peculiaridades, não é inovador – um garoto que, apesar da proibição de sua família, deseja seguir seus sonhos e trilhar seu próprio caminho. A genialidade do filme se dá em como esse roteiro batido é conduzido. Não há palavras além de cativante, lindo, emocionante e profundamente tocante para descrever seus espetaculares 105 minutos de duração.

Apesar de ser um musical e ter por uma das principais temáticas a própria música, o filme não introduz canções forçadamente, em momentos inoportunos, ou em substituição às falas como é comum acontecer em produções do gênero. Na verdade, elas são inseridas com tamanha sutileza que o telespectador sequer percebe que está assistindo a um musical, tão natural que elas soam.

A música tema, Remember Me (Recuérdame em espanhol e Lembre de Mim em português), vencedora do Oscar na categoria de melhor canção original, é uma obra de arte à parte. Sua letra consegue tomar vários significados ao longo do filme, começando como uma simples canção de um ídolo pop e terminando como um símbolo de afeto e (por que não) sobrevivência. Sente só:

A mensagem que fica ao final do filme é clichê, mas é impossível negar que é recebida pelo telespectador com êxito e carinho: não desista de seus sonhos, viva-os com paixão, e não se esqueça daqueles que de alguma forma lhe mostraram o caminho do sucesso.

E aí, você já assistiu o filme? Conta pra gente o que achou – e o quanto chorou!

Viva - a vida é uma festa

One Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!